O mito do sexo espontâneo

Uma das maiores dificuldades que as pessoas têm - especialmente aquelas que estão em um relacionamento de longa data - é aceitar que, apesar de instintivo, o sexo não é espontâneo.


Primeiro porque, vivemos sob a regência de regras sociais e morais que passam um "filtro" em nossos instintos sexuais. Ninguém sai por aí, transando no meio da rua com um desconhecido, como os animais podem fazer. Ou seja, mesmo quem pratica o sexual casual, não está sendo tão "espontâneo" assim.


Quando entramos num relacionamento, assumimos o desejo de compartilhar muitas áreas de nossa vida com o outro. Isso inclui desde tarefas banais do dia a dia até responsabilidades financeiras, passando muitas vezes pela criação dos filhos. Dentre todas essas áreas, está também a nossa sexualidade.


A questão é que, muitas áreas desse mundo compartilhado passam a exigir muito de nossa energia: trabalho, filhos, organização da casa, etc. e, como nunca é urgente, a sexualidade acaba sendo relegada.


Parece bobagem, mas para a maioria dos cuidados que você precisa ter constantemente em sua vida, você acaba desenvolvendo (muitas vezes, sem perceber) uma rotina. Acontece com "fazer unhas", que você assume o compromisso de ir toda semana, no mesmo horário. Ou mesmo com o exercício físico que você "espremeu" em sua rotina, três vezes por semana e firmou o compromisso com o personal.


Com a sexualidade no casamento, é necessário o mesmo cuidado. O cuidado de estar pronto para que, naquele dia, você possa se preparar, tomar um banho demorado e curtir a relação íntima de vocês.


É engraçado que, quando digo isso, os adeptos da ilusão da espontaneidade sexual me criticam: Nossa! Que chato fazer amor com hora marcada!


Reconheço que, no começo, pode parecer "robotizado". Mas, a verdade é que, quanto mais se pensa em sexo, mais se tem vontade de pensar em sexo e de fazer sexo. Muitos casais para os quais sugiro esta "agenda", relatam que, depois do desconforto inicial, quando iniciam os estímulos sexuais e se permitem perceber o desejo aflorando e as sensações sexuais de excitação que resultam no verdadeiro prazer a dois, se questionam: Poxa! Isso é tão bom! Por que é que a gente não faz mais vezes?


A verdade é que, para que o desejo sexual ganhe força e vire excitação, é necessário que haja motivação. E, sinceramente, é muito fácil burlar um motivo sexual depois de um dia atribulado, não é? Por isso, é que muitos casais não fazem sexo.


E, você pode me dizer: Ah! Mesmo assim, é chato!


Lembre-se que, quando você namorava, é muito provável que, havia "uma rotina de namoro". E, por causa da paixão (que te levou a morar embaixo do mesmo teto de sua paixão), você tendia a achar muito ruim esperar o fim de semana para poder curtir. Fica fácil associar, então que, quando vocês se casassem, curtiriam todos os momentos, sem exceção, por isso que, quando proponho voltar, a maioria encara como se fosse um retrocesso no relacionamento.


Só nos esquecemos com isso que, quando havia a rotina de namoro, nos preparávamos para o encontro. Ingenuamente, pensamos que estes preparativos são desnecessários e que as expectativas estimuladas por telefonemas e mensagens, não interferem em nada no desejo sexual.


O fato é que o desejo sexual está em nossas cabeças e não nos órgãos sexuais. A rotina do sexo, ao contrário da eterna espera pelo sexo espontâneo, fortalece vínculos emocionais do casal, fortalece a motivação sexual e, ainda por cima, traz todos os benefícios do sexo.


E, eu garanto a você que, a maioria dos casais que se permite se priorizar, mesmo que com hora marcada, muda facilmente de opinião sobre "ser chato", no dia seguinte... Que tal experimentar para ver se você muda também?

Siga Sexualidado do Casal:

  • sexualidadedocasal
  • Facebook ícone social
  • Instagram

©2019 por Sexualidado do Casal | Psicoterapeuta Bruna Soarez | Brasil